terça-feira, 15 de outubro de 2013

A influência hooligan/barra brava, as torcidas brasileiras e o futebol moderno.

Algumas pessoas ja me perguntaram o que eu acho sobre a questão da influência hooligan/barra brava no Brasil, além das brincadeiras comigo por eu ser um fanático pelo modo como a argentina trata o futebol e também me questionam o porque eu acho que o futebol moderno não vai trazer nenhum benefício ao torcedor com suas arenas, a copa, seus jogadores trampolins e o "marketing paixão".

Eu sempre gostei muito do futebol argentino e sempre achei as torcidas argentinas muito mais criativas que as brasileiras, começando pelas canções, por exemplo uma torcida argentina ao fazer uma canção para o clube rival ela sempre vai usar como tema algo inédito e histórico que aconteceu entre essas torcidas e usar a própria música para tirar o sarro do time rival, seja lá qual for a brincadeira, no caso das torcidas brasileiras é sempre o mesmo discurso, "Vo te mata, ado ado time de viado", as canções das torcidas brasileiras ultrapassam a rivalidade e chegam a um nível homofóbico e sua base é só uma, a violência.

Mas independente disso, não acho que o modo brasileiro de torcer seja ruim, e longe de mim querer que as torcidas brasileiras virem barras bravas, sou contra, apesar de gostar muito, aliás acho que o único lugar no brasil pela sua história e por ter essa base para suas torcidas terem a referência argentina é o sul do Brasil.O que acho que deveria acontecer era as organizadas brasileiras rever alguns conceitos, começando por suas músicas.

O futebol no brasil tem um problema que venho reparando a um tempo, que é colocar um nome que tem sim seu valor, mas acima de outro nome que na verdade é algo muito maior e muitas vezes ele vêm desse algo maior, por exemplo, jogadores em suas comemorações virar suas camisetas com seus nomes na frente, algo que acho desrespeito total ao clube, a torcida, a história além de ser escroto e completamente narcisista se auto promover e querer se colocar como algo maior que o clube, seleção e toda uma tradição da qual ele só é uma mera parte, que por mais que tenha sua importância nunca vai ser algo maior que o clube, mas onde eu quero chegar com isso?Bom, as torcidas no Brasil acabam muitas vezes se colocando de certa forma como a responsável pela existência do clube, isso é perceptível quando você pega a porcentagem de músicas cantadas pela torcida em um jogo e mais da metade fala sobre a própria torcida e desprezando o rival, e o apoio ao time que naquele momento está jogando é deixado de lado.

Acho que o brasileiro ainda é muito acomodado, mal agradecido e bunda mole, o brasileiro fala que é apaixonado, mas no primeiro sinal de derrota ele abandona o time, ele tem a memória curta, ele despreza ídolos facilmente depois de uma derrota, infelizmente o brasil não tem uma cultura bairrista suficiente para a pessoa ter identidade local e o futebol perde muito com isso.

Outra coisa que eu sempre me preocupo é de não me bitolar na cultura de arquibancada, porque acho que isso perde a essência, hoje tem muitos livros, filmes e blog´s relacionados ao mundo das arquibancadas e as culturas hooliganistas ou barra brava e claro das organizadas também, aliás esse foi outro dos motivos que me fez parar o blog, essa cultura idiota que acaba fazendo com que a essência vá embora e que tudo fique superficial, essa cultura da maldade na arquibancada, cultura muitas vezes que não é nossa realidade, de comprar uma roupa que na inglaterra é popular e aqui vêm como roupa de grife e os aficionados por hooligans compram tudo com o dinheirinho da mamãe.

Procure sempre ser coerente em suas críticas, o futebol moderno está ai, e se você é contra lute por algo melhor, mas se eles vencerem, não se junte a eles, não vale a pena, não se venda, não se renda, a copa não vai te beneficiar a menos que você seja uma milionário e tenha dinheiro para dar aos grandes empresários, a polícia também não vai proteger o pobre da favela, só o executivo cheio da grana que vai pagar uma fortuna pra ver um jogo sentado na numerada das arenas, que por sinal serão palcos frios e gigantes sem alma e quando tudo isso passar só vai restar concreto.

O que sobra pra gente?

Lutar!

Na verdade não sobra nada, mas pra deixar o texto bonito vamos colocar Lutar!

Brincadeiras a parte, vamos lutar ao menos pelo nosso mundo, pelos nossos amigos, pelo que acreditamos, mesmo que seja difícil.

Nenhum comentário:

Seja bem-vindo ao Expulsos de Campo

O publicitário, roqueiro e torcedor do Santo André, Guilherme Pibe, traz a visão "underground" de toda cena do futebol e do rock´n roll juntos em um só blog.



Para ver os vídeos do EDC, clique aqui.